louder
Uma vez me falaram que amar é se jogar de um precipício sem saber se lá embaixo vai ter alguém para segurar a gente. Foi a melhor definição de amor que já ouvi. Mensagem Arquivo blogroll links Theme

Dizem que nada dura eternamente, mas creio firmemente que, para alguns, o amor continua mesmo depois de termos partido.
P.S. Eu te amo.  
Como naqueles filmes de suspense, eu tenho uma porta proibida em casa que ninguém pode abrir,uma caixa quase pandora, a palavra que ninguém pode dizer, o quadro que ninguém pode olhar, a chave que ninguém pode usar. Dane-se! Use a metáfora que quiser… Aposto que você já imaginou que eu abri a porta, usei a chave, vi o quadro e etc de bobeiras. Acontece que nos livros, os personagens não sabem que estão numa estória de suspense. E eu, de uma forma muito estranha e talvez um tanto desesperadora, sinto que sou escrita e descrita, por isso coço os dedos e desisto. Alguns mistérios nunca podem ser descobertos. E a vida deve, não sei porque continuar no escuro do poço, na parte não vista da lua.
Diz pra mim, você abria a porta?
— Meu-talvez-diário 
Eu poderia dizer que foi somente um coração partido, mas não foi. Ele levou meu coração, não o deixou machucado, não fez uma cicatriz. Não tem nada ali, apenas um vazio. E como se cura o que está vazio?
O Diário de Sofi.  
Limpei o vidro embaçado com a palma da mão e pude ver nitidamente: o caminho mais bonito é sempre o da ida, nunca o da volta. Sempre em frente.
Camila Costa.   
Não tenho medo de começar de novo, tenho medo de ter o mesmo resultado.
Demi Lovato     
PROJETO ANDARES

Escritores, músicos, desenhistas, artistas em geral!

Encaminhe o link de seu post autoral e participe da mais nova vitrine de talentos do tumblr com mais de 140 mil usuários,
Clica e conheça tudo sobre o Projeto. ♥

Eu estava correndo do escuro. Meus olhos fechados estavam enchendo de dor enquanto cada centímetro da minha mão apertava o vácuo que você fazia em meu coração. Parecia uma fantasia realizada por dois deuses que teriam tomado conta do fogo que ardia no meu peito. Eu não entedia a lógica. As pessoas vasculhavam os sonhos mais profundos e os chamavam de pesadelo. Fechavam os olhos e simplesmente adormeciam diante toda aquela falta de amor que eu um dia causei no coração de um certo rapaz. Mas minha lógica era essa: para que fechar os olhos e fingir que nada acontecia se o escuro já enchia o meu quarto abafado e trazia lembranças cujo eu nunca consegui esquecer? A verdade é que as pessoas fecham os olhos fugindo da realidade. Com medo da escuridão de um quarto frio, entrando num mundo pequeno onde a felicidade era plena e ninguém saia ferido dessa história cujo todos chamam de: vida.

E eu estava cansado dessas linhas tortas que eram realmente tortas no piso do meu quarto. Na madrugada calada eu resolvi ascender um fosforo e queimar toda a causa daquele problema: o quarto. Eu senti o cheiro da fumaça e como ela se espalhava pelo meu cérebro fazendo meus olhos se revirarem e toda aquela fantasia se transformar em pó. Mas eu precisava tirar aquelas fotografias da minha parede. Eu precisava apagar toda a escuridão do meu passado. Eu precisava recomeçar a revolta que abitava em meu corpo. Eu precisava acabar com toda a dor que um dia causei aos dois deuses. E eles arderam no fogo mas se apagaram quando o amor tocou minha alma e meus olhos fracos não conseguiam parar de chover. E eu cai ali.

Pouco tempo, ou muito tempo depois eu abri os olhos e fui cego pela luz.

Não sei ao certo onde estou. Só sei que consegui recomeçar a minha revolta. Nesse lugar onde não conheço ninguém é difícil encontrar lágrimas. Meu cabelo não é o mesmo desde que mudei de brisa. Meus olhos não lacrimejam tanto agora que não sinto vontade alguma de acender um cigarro nos meus lábios. E não a dor. Me lembro também de pouco antes de cair no chão e me misturar com a fumaça que ironicamente era escura como meu quarto. Mas nesse novo lugar não a deuses que confundem meu coração. Talvez um amor que diante dos meus olhos trás a mim a resposta de que a vida não é um pesadelo, e sim um sonho.

Isaac Veloso.

Veja o mundo desabar Amélia, veja o que nós seres humanos fizemos, veja o ódio vencer o amor, veja o caos superar a felicidade, veja esses prédios pegando fogo, veja os corações sendo partidos, veja familiares dando adeus antes da hora, veja relacionamentos acabando no meio dessa tormenta. Triste né? O pior é saber que tudo isso poderia ser evitado, se fôssemos mais humanos do que apenas seres vivos.
Qual é? Morrer é um cliché. Obriga você a sair no melhor da festa sem se despedir de ninguém, sem ter dançado com a garota mais linda, sem ter tido tempo de ouvir outra vez sua música preferida. Você deixou em casa suas camisas penduradas nos cabides, sua toalha úmida no varal, e penduradas também algumas contas. Os outros vão ser obrigados a arrumar suas tralhas, a mexer nas suas gavetas, a apagar as pistas que você deixou durante uma vida inteira.
Pedro Bial.  
Ela tem uma bunda maravilhosa. Mas, sério. Eu gosto quando ela adormece no sofá e depois faz manha para ir deitar na cama. Aí eu a pego no colo, tiro cada peça de roupa, exceto a calcinha e as meias. Ela sente frio nos pés, até no verão. Não sei, eu me sinto poderoso e acolhedor. Então ela pede que eu a abrace de conchinha, ao menos até pegar no sono. Cara, eu odeio dormir de conchinha, detesto aqueles fios soltos de cabelo pinicando meu nariz. Mas adoro o cheiro que ela tem na nuca e ficar colado naquela bunda. Não sei como resolver isso.
Gabito Nunes. 
1



Theme