feeling
Uma vez me falaram que amar é se jogar de um precipício sem saber se lá embaixo vai ter alguém para segurar a gente. Foi a melhor definição de amor que já ouvi. Mensagem Arquivo blogroll links Theme

Sabe aquela sensação de solidão que te preenche mas que não faz com que você se sinta menos vazio? Tão complicado quanto estar rodeado de muitas pessoas e ainda sentir que aquele ali não é o seu lugar. Se sentir o alguém mais dramático do mundo, e até estar ciente das soluções de todos os seus problemas mas ainda assim não ser o suficiente. Lembrar que já sofreu por amor mas que a ausência dele ainda lhe causa uma dor maior, tanta contradição, tanta insatisfação que nem sei. Só queria sentir a esperança pulsar outra vez.
Clara Brandão.
Um dia você conhecerá um cara que te chamará de linda. Primeiro de linda, depois de gostosa. Mas não é aquele cara que só chama de gostosa, tesuda e só quer trepar com você. Assim mesmo, trepar e tchau. Dá pra sacar quando um homem quer trepar e tchau. É fácil de detectar. Ok, se você quer trepar e tchau, então trepa e tchau. Eu estou falando de algo mais. Do que faz trepar e oi. Trepar e ficar. E ficar abraçado. E ficar conversando. E ficar sonhando junto. E ficar querendo ficar mais e mais (e trepar mais e mais?). Um cara que queira você como você é. Que você não precise impressionar. Que seja inteligente. Educado. Delicado. Na medida certa. Nem mais, nem menos. Que entenda seus momentos de fúria. Que ache você bonita mesmo descabelada. E suada. Que respeite seus momentos de raiva. Que saiba a hora exata de se abaixar para não ser atingido com algum objeto pontiagudo ou cortante. Que se importe com você. Que não goste de discutir, mas que escute todas as baboseiras malucas que você está a fim de falar. Que não seja chinelão demais, mas que não seja engomadinho demais. Que seja lindo. E cheiroso. E gostoso. Que fale de você para a mãe dele. Que diga que vai proteger você de animais selvagens como lagartixa, barata e sapos. Que não tenha medo de dizer que tem medo de algumas coisas. Que não fique dando uma de machão, ele pode ser fraco com você. Pode pedir ajuda pra você. Pode pedir conselhos pra você. E você dará com o maior prazer. Um dia você conhecerá um cara que fará você acreditar que vale a pena o esforço. Vale a pena alguma lágrima que cai. Vale a pena esperar por ele. Vale a pena sonhar, acordada ou não, com ele e com tudo que virá e com a forma que você quer que tudo seja. Aquele cara que conhece você. Que admira você. Que respeita você. Que tem intimidade com você. Liberdade. Que vai achar você linda mesmo que você não tenha passado um rímel sequer. Que você se sente à vontade pra andar na rua de qualquer jeito, nem que seja de calça jeans e havaianas e mesmo assim você estará a mulher mais maravilhosa do mundo. Que você não sinta vergonha de dizer “eu não sei”, pois ele vai te explicar o que você não sabe. Que ri dos seus risos. É solidário com seus receios. Que acha você idiota nos devaneios românticos. E que gosta da sua idiotice. E que gosta de você, mesmo você sendo uma grande chata de vez em quando. Que queira escutar as batidas que o seu coração dá. E queira andar com você de mãos dadas por aí… Pra qualquer lugar. E que, também, queira trepar muito com você.
Clarissa Corrêa.  
Doeu duas vezes. Ou até mais. Dores não doem só uma vez. Pai, mãe, não foi só um pulo. Ainda dói. Muda a dor. Muda o lugar. Muda a hora. O momento. Mas não passa. Finge que passa. E dói. Muito. Não cicatriza. Dá um tempo. Sente-se falta. A esperam. Então ela volta. Ninguém está acostumado a não sentir dor. As mães sentem dores ao dar a luz da vida à uma criança. E você, ao nascer, leva de pronto um tapa para reagir.

A dor cansou-se de só se doer e se compartilhou.
— Katleen Rocha. 
Gosto de repetir livros e filmes, passo o dia todo ouvindo a mesma música. Por isso eu não estranho a insistência de gostar sempre de você.
— Soulstripper. 
O dia está feio. Meu coração está afundado. E eu só não me atiro dessa janela porque tem grades, e eu passaria um trabalhão tentando removê-la sem as ferramentas necessárias. Outro contra, também, é que moro no segundo andar e a distância até o piso não se anuncia muito letal, então o máximo que eu ia conseguir é deslocar alguns membros importantes e ficar sangrando para a diversão de um monte de cretinos abelhudos sem mais nada pra fazer, até que alguma ambulância resolva aparecer. Logicamente, é melhor seguir fazendo o que melhor sei fazer, que é sofrer calado, entrar no banho e ir estudar naquela bosta de lugar.
Gabito Nunes.  
Esse negócio de “eu só me arrependo do que eu não fiz” nunca me emocionou. Arrependa-se de algumas coisas que você fez também. É bonito saber que nem todas as suas decisões foram acertadas. É lindo saber que no meio de tudo o que você julgava perfeito ainda cabia uma parcela considerável de erro. O que você não fez, faça e erre. O que você fez errado, refaça e tente acertar dessa vez. Mas não me venha mais com esse heroísmo de só se arrepender do que não fez: isso é covardia velada.
 Eu me chamo Antônio.  
Tem coisas que a gente só sente, sente e sente demais. Muitas vezes eu gostaria de ser uma daquelas pessoas frias que não se importam com ninguém em sua volta, uma daquelas pessoas que são capazes de tudo pra ter o que querem, as vezes eu realmente gostaria de ser assim mas eu não consigo. Eu não sei qual o meu problema, mas eu me importo demais com os outros, sou daquele tipo de pessoa que sofre quieto, que gosta de atenção, que só queria receber um certo carinho, só queria ser alguém pra alguém, mas com tantas coisas que acontecem você vai desanimando. Muitas vezes você carrega tantas mágoas no peito que fica difícil seguir. Mas algumas coisas valem mais a pena você colocar em um baú dentro de você, do que explodir com a primeira pessoa que passa na sua frente. Você finge que não viu, que não sentiu, que não sabe. Só que dói, dói e muito, mas é que tem horas que esse baú enche, que ele transborda e então essas memórias mesmo que guardadas resolvem sair, acabam fazendo justamente o que você não queria fazer, acabam saindo pelos seus olhos e você se vê fazendo isso novamente.
Gabriel Sander.
Bom… Você me tinha. Você me teve como ninguém mais teria. Mas você preferiu me deixar ir embora. Você me teve também naquela festa ridícula, lembra? Eu estava quase implorando pela sua atenção aquele dia, Stubb. Mas você tinha bebido demais pra pagar de legal para os teus amigos babacas e acabou nem me notando. Mas ainda sim, você me tinha. Eu fui sua em dezembro, no natal. E fui sua no ano novo. Você me teve no meu aniversário e também me teve na páscoa. Você me teve todos dias. Eu era sua mesmo quando não queria. Eu era sua até mesmo quando era de outra pessoa. Você me tinha, Stubb. Você me teve nas suas mãos, mas preferiu me deixar escapar. Você me tinha tanto, que quando você escolheu me perder, eu obedeci.
Robin and Stubb.  
Posso te pedir um favor? Não minta para mim, não me iluda e de forma alguma brinque com o que eu ouso sentir. Se preciso for me ajude a entender, a escolher e a nunca jamais desistir. Se um dia você de mim cansar, me avise, assim eu tento me reinventar e fazer de tudo para você não mais desejar partir. E se por acaso o fardo da vida for difícil de carregar, aprenda a dividir comigo, assim juntos poderemos aguentar. Faça de mim o seu mais singelo abrigo, a sua única e verdadeira opção. E prometa somente aquilo que poderás vir a cumprir.
O Diário de Sofi. 
Se há uma coisa que ainda tenho é memória. O que é péssimo. Se eu esquecesse as coisas de vez em quando, todos nos estaríamos um pouco mais felizes.
— Os 13 porquês
1



Theme